doi: 10.19277/bbr.18.2.262.pt

Pin It

Ciências Biofarmacêuticas, Biomed Biopharm Res., 2021; 18(2):252-262

doi: 10.19277/bbr.18.2.262;  [+] versão PDF aqui;  [+] versão inglês html aqui

 

Efeito de filmes cosméticos com ácido ascórbico e ácido hialurônico na perda de água transepidermal

Isadora Marques Garros Brait 1, Mariane Massufero Vergilio 2, Laura Moretti Aiello 1, Gislaine Ricci Leonardi 1*

1School of Pharmaceutical Sciences-University of Campinas (UNICAMP), 200, Cândido Portinari St., "Cidade Universitária Zeferino Vaz", 13083-871-Campinas, SP, Brazil; 2Graduate Program in Internal Medicine, School of Medical Sciences - University of Campinas (UNICAMP), 126, Tessália Vieira de Camargo St., "Cidade Universitária Zeferino Vaz", 13083-887-Campinas, SP, Brazil.

*autor para correspondência: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Resumo

Filmes cosméticos são estruturas constituídas de um polímero capaz de formar uma matriz contínua. O colágeno e o ácido hialurônico (AH) são componentes da matriz extracelular da pele e atuam mantendo sua elasticidade e resistência. O ácido ascórbico (AA) atua na formação das fibras de colágeno, contribuindo para a manutenção de sua firmeza e elasticidade. Este estudo teve como objetivo avaliar as propriedades hidratantes de filmes cosméticos com AA, ou AH em sua constituição. Investigou-se também se a presença de caprilil glycol interferiria no TWEL das formulações. As propriedades oclusivas dos filmes foram avaliadas com base na redução da perda de água transepidérmica (TEWL) em 20 participantes saudáveis com o auxílio da sonda Tewameter. No T30, todas as formulações apresentaram redução na TEWL após 30 minutos de aplicação em relação ao controle. Entretanto, após 60 minutos, a TEWL começou a retornar aos seus níveis basais. Em geral, as formulações adicionadas com Caprilil Glicol, foram as que apresentaram os melhores resultados de TEWL. Este estudo mostrou uma diferença significativa no valor de TEWL, sugerindo que a aplicação tópica dos filmes podem contribuir para a melhora e manutenção da barreira cutânea.

 

Palavras-chave: Filmes cosméticos; colágeno; ácido hialurônico; ácido ascórbico; barreira cutânea

Received /Recebido: 13/08/2021; Accepted / Aceite: 24/10/2021

 

Introdução

A presença de água na pele é essencial para todas as atividades metabólicas do organismo suas propriedades mecânicas, como elasticidade e turgidez (1), e, portanto, consideravelmente importante para a saúde da pele (2). A desidratação cutânea, além de iniciar processos inflamatórios, pode gerar descamação, fissuras, tensão, vermelhidão, sangramentos, flacidez e uma piora na aparência geral da pele (2).

A pele saudável se mantém hidratada através da regulação da produção de lipídios intracelulares e do fator de hidratação natural (Natural moisturizing factor – NMF), que atuam promovendo a manutenção da água na epiderme e derme. No entanto, fatores como ingestão de água, níveis hormonais, metabolismo, envelhecimento e estresse podem afetar a hidratação (1,2,3).

Cosméticos hidratantes são capazes de promover a hidratação cutânea, aumentando o conteúdo aquoso do estrato córneo ou promovendo a manutenção da água nesta camada (2,3,4). Isto ocorre devido aos componentes umectantes, moléculas higroscópicas que atuam atraindo a água para às camadas superiores da pele, emolientes, que preenchem os espaços vazios entre os corneócitos, promovendo uma sensação de maciez, bem como os agentes oclusivos, que impedem a perda de água transepidermal (3,4).

Neste contexto, diversos tipos de formulações cosméticas são desenvolvidos com o objetivo de prevenir e reverter o ressecamento da pele. Entre eles, os filmes cosméticos são um sistema tópico inovador, constituído por um polímero capaz de formar matriz contínua de formato compacto, que permite o armazenamento e transporte de ativos, com menores inconvenientes, além de ser uma opção biodegradável (5). Atualmente, esse sistema também tem sido bastante utilizado pela indústria farmacêutica na produção de sistemas de liberação transdérmica de fármacos, curativos e moldes para crescimento tecidual, além de auxiliar no tratamento de queimaduras (6), assim como pela indústria de alimentos na conservação de seus produtos (7), e a tecnologia foi transferida para a indústria cosmética para melhorar a performance de produtos desenvolvidos.

O colágeno é um biopolímero estrutural responsável pela constituição da pele, ossos, vasos sanguíneos, matriz extracelular, dentes e cartilagens (8). Na pele ele é responsável pela elasticidade e resistência, como um dos principais constituintes da matriz extracelular, sua perda ou diminuição resulta no envelhecimento sinalizado pelo surgimento de rugas e linhas de expressão (9,10). Moléculas ou fibras desta proteína podem formar hidrogéis, filmes ou esponjas que podem ser utilizados como agentes hemostáticos, curativos, enxertos e moldes para cirurgias e crescimento tecidual (6).

Assim como o colágeno, o ácido hialurônico (AH) também é um componente da matriz extracelular da pele (11), sendo é responsável por sua firmeza, turgor e hidratação, o que ocorre devido a sua capacidade de atrair as moléculas de água para esta camada (10,12). Durante o processo de envelhecimento a quantidade de AH presente na pele diminui (10,12). Seu uso tópico é comprovadamente benéfico em processos de cicatrização, os quais acontecem mais rápido e de maneira mais uniforme sem causar deformações na pele lesada (11,12,13, 14).

O ácido ascórbico (AA), ou vitamina C, é uma molécula antioxidante e hidrossolúvel, que é obtida através da alimentação ou aplicação tópica (9), sendo que este último apresenta um efeito mais expressivo na redução de manchas na pele do que a complementação alimentar, como observado no estudo realizado por Imai et al (15). Esta vitamina também atua na formação das fibras de colágeno em quase todas as estruturas, promovendo renovação da barreira cutânea e, assim, contribuindo com a manutenção de sua firmeza e elasticidade (9).

O caprilil glicol é um diol que nos cosméticos pode atuar como antimicrobiano, devido a sua capacidade de desestabilizar a membrana celular bacteriana, e na pele age como agente condicionador, emoliente, preenchendo os espaços entre os cornócitos e tornando a pele mais macia, e umectante, atraindo as moléculas de água para as camadas superiores da pele, sem gerar hipersensibilidade ou irritação em humanos (2,3,4,16,17).

Para realizar a avaliação da eficácia in vivo de formulações e matérias-primas cosméticas, são utilizadas diversas técnicas de bioengenharia cutânea importantes para mensurar quantitativamente a performance do cosmético quando aplicado na pele. A mensuração da perda de água transepidermal (em inglês, transepidermal water loss – TEWL) é um deles. O TEWL é um processo natural que ocorre devido ao gradiente de concentração de água entre as camadas da pele, fazendo com que a água migre das camadas mais profundas para o estrato córneo, onde é perdida por evaporação (18). Esta propriedade é um dos indicadores mais importantes da integridade e funcionalidade da barreira cutânea, visto que o valor deste parâmetro aumenta em uma pele lesionada ou desestabilizada (18).

Sendo assim, este estudo teve como objetivo avaliar as propriedades hidratantes de filmes cosméticos compostos por colágeno, ácido ascórbico e ácido hialurônico, com o auxílio da técnica de bioengenharia cutânea o auxílio da sonda Tewameter TW 210, produzida pela empresa Courage-Khazaka electronic GmbH, Alemanha, acoplada ao software Multi Probe Adapter MPA 5 utilizada para mensurar a perda de água transepidermal (TEWL).

Material e Métodos

Materiais

No desenvolvimento dos filmes cosméticos foram utilizados colágeno (Gelita, São Paulo, BR), ácido cítrico (Synth, Diadema, BR), ácido ascórbico (Synth, Diadema, BR), ácido hialurônico (DSM, São Paulo, BR), caprilil glycol (Fagron, São Paulo, BR), glicerina (Fagron, São Paulo, BR) e metabissulfito de sódio (Synth, Diadema, BR).

Desenvolvimento dos filmes cosméticos

Quatro formulações cosméticas contendo ou não ácido ascórbico ou ácido hialurônico, foram preparadas de acordo com a Tabela 1. As formulações FcB1 e FcAA, respectivamente não adicionada e adicionada de ácido ascórbico, também continham caprilil glicol. Os filmes cosméticos (Tabela 1, inset) foram preparadas de acordo com o método casting, que consistiu em adicionar à solução filmogênica a uma superfície de silicone para evaporação do solvente a temperatura constante de 40 ºC (19).

Avaliação da eficácia in vivo

Protocolo experimental

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp (CAAE: 13367219.5.0000.5404), e todos os participantes assinaram do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. Um total de 20 participantes foram incluídos no estudo de acordo com os critérios de inclusão, participantes saudáveis com idade entre 20 e 60 anos com capacidade de compreender e seguir as orientações e não lavar ou aplicar nenhum produto cosmético a região da pele do teste por pelo menos duas horas antes do teste. Os critérios de exclusão incluíam a falta de compreensão do método a utilizar ou a presença de lesões compatíveis com doenças infecciosas activas. O estudo duplo-cego foi realizado em uma sala com temperatura controlada. Os participantes foram aclimatados 20 minutos antes do início das medidas instrumentais (20).

De mandeira aleatorizada, cinco campos com 16 cm2 foram demarcadas no antebraço anterior de cada participante, a distância entre os campos foi de 2 cm (Figura 1). Para que as formulações sejam dissolvidas e possam liberar seus ativos que os filmes devem ser umedecidos (5) assim, antes da aplicação das formulações, as áreas demarcadas foram umedecidas com dez gotas de água. Então, os filmes foram randomizamente aplicados por um pesquisador independente nos campos umedecidos e removidos após 15 minutos. Os resíduos das formulações foram então umedecidos com 10 gotas de água e espalhados na pele por 30 segundos para garantir uma absorção mais eficaz e uniforme do produto. As leituras instrumentais foram realizadas antes (controle - T0), 30 min (T30) e 60 min (T60) após a aplicação, de acordo com o EEMCO Guia para a avaliação de TEWL em cosmetologia (21).

Perda transepidérmica de água

O efeito de barreira da pele foi avaliado pela perda transepidérmica de água (TEWL). Para a determinação deste parâmetro foi utilizada a sonda Tewameter TW 210 (Courage & Khazaka, Köln, Alemanha), ilustrada na Figura 2, cuja função é medir a perda transepidérmica de água, baseado no princípio da difusão descrito por Adolf Fick em 1885, adaptado por Capitani et al (22):

𝑑𝑚/𝑑𝑡 = −𝐷×𝐴 × 𝑑𝑝/𝑑𝑥

Onde, dm/dt é o fluxo de difusão, A é a área, dc/dx é a alteração de concentração por distância e D é o coeficiente de difusão do vapor de água no ar. Os valores serão fornecidos em g.m-2.h-1. A sonda do aparelho foi colocada sobre a pele no centro dos campos demarcados nos antebraços e mantida pelo tempo necessário para a obtenção de 25 medidas (Figura 2).

Análise estatística

Análises de variância unilateral (ANOVA) foram aplicadas para testar as diferenças entre as formulações (α = 0,05). O pós-teste de comparação múltipla de Tukey foi usado para determinar as diferenças entre os parâmetros obtidos. Foi considerado um nível de confiança de 95% e as análises foram realizadas no GraphPad Prism 9.2.0 software (GraphPad, San Diego, LA, EUA).

Para comparar os efeitos das diferentes formulações na perda de água transepidermal foi realizado o cálculo da diferença da nos valores de perda de água transepidermal (TEWL) entre as áreas nas quais os filmes foram aplicados e as áreas controle (23):

[(Tn – T0) – (NTn – NT0)]

Onde, Tn é o valor de TEWL no tempo n, T30 ou T60, T0 é a medida de TEWL no tempo T0, antes da aplicação das formulações, NTn é a medida de TEWL do campo controle no tempo n e NT0 é a medida de TEWL do campo controle no tempo T0 (23). As diferenças foram então divididas pelo valor da perda de gua transepidermal em T0 para obter-se a porcentagem de incremento.

Resultados

A perda de água transepidermal (TEWL) foi avaliada com auxílio da sonda Tewameter TW 210, os gráficos apresentados nas Figuras 3 e 4 descrevem as médias de TEWL e a diferença percentual de TEWL, respectivamente na avaliação dos filmes cosméticos nos tempos 0, antes da aplicação, 30 minutos após a aplicação dos filmes e 60 minutos após a aplicação dos filmes.

Todas as formulações mostraram uma redução de no mínimo 11% no intervalo de 0 a 30 minutos com relação ao campo controle. A formulação FcAA, foi a formulação que mais reduziu a TEWL, apresentando uma diferença percentual de 23,25%, seguida pela formulação FcB1, que reduziu em 20%. As formulações FcAH e FcB2, reduziram 12,5% e 11% respectivamente, podemos observar que as formulações mais oclusivas apresentaram uma redução no mínimo 60% maior do que as menos oclusivas neste intervalo de 0 a 30 minutos.

No intervalo de 0 a 60 minutos, as formulações FcB1, FcAA e FcAH, continuaram a apresentar redução na TEWL com relação ao campo controle de 5, 1,625 e 0,375%, respectivamente, enquanto a formulação FcB2, mostrou um aumento de 1,75% na TEWL, com relação ao campo controle no mesmo intervalo.

Discussão

Os filmes desenvolvidos nesse trabalho apresentaram efeito de recuperação da barreira epidérmica, demonstrado pela diminuição da perda de água transepidermal (3,4). Filmes cosméticos são capazes de formar uma matriz contínua de forma compacta na pele (5) e inibir a TEWL por oclusão; um dos mecanismos de hiadratação (24). Os hidratantes oclusivos reduzem a TEWL, criando uma barreira hidrofóbica sobre a pele e contribuindo para a matriz entre os corneócitos (24).

As formulações adicionadas de Caprilil Glicol, FcB1 e FcAA, apresentaram reduções mais pronunciadas na TEWL em ambos os intervalos, mostrando melhores resultados como hidratantes do que as formulações em que este ingrediente não estava presente. Essa diminuição do TEWL em formulações com caprylyl glycol acontece porque este componente traz material graxo para a formulação filmógena, ocasionando emoliencia e contribuindo para a prevenção de perda de água superficial da pele (25). Isso ocorre porque na pele o fator que mais influência na perda de água é a composição e organização dos lipídios nos domínios extracelulares (26).

A diminuição da TEWL nas áreas em que as formulações adicionadas com caprilil glicol ou ácido hialurônico também pode ser explicada por sua atividade umectante (10, 12). Esses componentes atraem as moléculas de água para a superfície da pele (3, 4, 10, 12, 16, 17, 27), onde essa água forma uma emulsão com os lipídios da pele e componentes do suor, diminuindo a TEWL (27).

No entanto, após 60 minutos, os valores de TEWL começam a retornar aos seus níveis basais devido, possivelmente, à absorção dos produtos. Além disso, sabe-se que a redução dos valores de TEWL pela aplicação de formulação tópica está relacionada à quantidade de produto, ao conteúdo graxo e o tipo de lipídeo presente na formulação (28). A adição de lipídeos com maiores comprimentos de cadeias carbônicas proporciona uma menor permeabilidade da barreira cutânea e menores valores de TEWL (29). Desse modo, dado que o CG trata-se de um álcool graxo com tamanho intermediáro de cadeia carbônica, esse pode ter tido seu efeito emoliente reduzido após um maior período de tempo (T60).

Estudos futuros podem explorar os efeitos de filmes cosméticos adicionados de emolientes compostos por cadeias graxas maiores e outras combinações de umectantes na preservação e melhora da função da barreira cutânea.

Conclusões

De acordo com os resultados observados, pode-se concluir que todos os filmes cosméticos estudados apresentaram poder umectante. Tanto a presença de caprilil glicol quanto a presença de ácido hialurônico influenciaram na perda de água transepidérmica. Para estudos futuros a importância dos componentes umectantes e emolientes, assim como o tamanho da molécula do emoliente devem ser levados em consideração.

Declaração sobre as contribuições do autores

IMBG, conceção e desenho do estudo; análise de dados, redação, edição e revisão; MMV, conceção e desenho do estudo; implementação experimental; redação, edição e revisão; LMA, análise de dados; redação, edição e revisão; GRL, conceção e desenho do estudo; supervisão e redação final.

Financiamento

Esse estudo foi financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Agradecimentos

Agradecemos a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - Brasil (CAPES) - Código de Financiamento 001, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pelo apoio financeiro.

Conflito de Interesses

Os autores declaram que não há relações financeiras e/ou pessoais que possam representar um potencial conflito de interesses.

 

Referências

1. Mojumdar, E. H., Pham, Q. D., Topgaard, D., & Sparr, E. (2017). Skin hydration: interplay between molecular dynamics, structure and water uptake in the stratum corneum. Scientific reports, 7(1), 15712. https://doi.org/10.1038/s41598-017-15921-5

2. Dos Santos, A. K. S. et al. (2019). A importância da hidratação da pele na resposta ao tratamento da flacidez cutânea utilizando radiofrequência. Científica do Ciesa, 148.

3. Spada, F., Barnes, T. M., & Greive, K. A. (2018). Skin hydration is significantly increased by a cream formulated to mimic the skin’s own natural moisturizing systems. Clinical, Cosmetic and Investigational Dermatology, 11, 491–497. https://doi.org/10.2147/ccid.s177697

4. Downie, J. B. (2010). Understanding moisturizers and their clinical benefits. Practical Dermatology for Pediatrics, September/October, 19-22.

5. Truiti, M. D. C. T., & Sanfelice, A. M. (2010). Produtos em filme – Inovação na tecnologia de cosméticos. Acta Scientiarum. Health Science, 32(1). https://doi.org/10.4025/actascihealthsci.v32i1.6987

6. An, B., Lin, Y. S., & Brodsky, B. (2016). Collagen interactions: Drug design and delivery. Advanced Drug Delivery Reviews, 97, 69-84. https://doi.org/10.1016/j.addr.2015.11.013.

7. Lima, J.V., Moreira, M.N., Dos Santos, A.M., Brandão, M.R.S., De Aquino, A.A.(2020). Produção de Filme Ativo Adicionado de Óleo Essencial para Conservação de Queijos. Revista INGI-Indicação Geográfica e Inovação, 4 (2), 754-768.

8. Fratzl, P. (2008.). Collagen: Structure and Mechanics, an Introduction. In Collagen (pp. 1–13). Springer US. https://doi.org/10.1007/978-0-387-73906-9_1

9. Manela-Azulay, M., Mandrim-de-Lacerda, C.; Perez, M.A., Filgueira, A.L.& Cuzzi, T. (2003). Vitamina C / Vitamin C. Anais Brasileiros de Dermatologia, 3, 265.

10. Lee, D. H., Oh, I. Y., Koo, K. T., Suk, J. M., Jung, S. W., Park, J. O., Kim, B. J., & Choi, Y. M. (2014). Improvement in skin wrinkles using a preparation containing human growth factors and hyaluronic acid serum. Journal of Cosmetic and Laser Therapy, 17(1), 20–23. https://doi.org/10.3109/14764172.2014.968577

11. Belvedere, R., Bizzarro, V., Parente, L., Petrella, F., & Petrella, A. (2018). Effects of Prisma® Skin dermal regeneration device containing glycosaminoglycans on human keratinocytes and fibroblasts. Cell adhesion & migration, 12(2), 168–183. https://doi.org/10.1080/19336918.2017.1340137

12. Papakonstantinou, E., Roth, M., & Karakiulakis, G. (2012). Hyaluronic acid: A key molecule in skin aging. Dermato-Endocrinology, 4(3), 253–258. https://doi.org/10.4161/derm.21923

13. Rossi, S., Mori, M., Vigani, B., Bonferoni, M. C., Sandri, G., Riva, F., Caramella, C., & Ferrari, F. (2018). A novel dressing for the combined delivery of platelet lysate and vancomycin hydrochloride to chronic skin ulcers: Hyaluronic acid particles in alginate matrices. European Journal of Pharmaceutical Sciences, 118, 87–95. https://doi.org/10.1016/j.ejps.2018.03.024

14. Iacopetti, I., Perazzi, A., Martinello, T., Gemignani, F., & Patruno, M. (2020). Hyaluronic acid, Manuka honey and Acemannan gel: Wound-specific applications for skin lesions. Research in Veterinary Science, 129, 82–89. https://doi.org/10.1016/j.rvsc.2020.01.009

15. Imai, Y., Usui, T., Matsuzaki, T., Yokotani, H., & Mima, H. (1967). The antiscorbutic activity of L-ascorbic acid phosphate given orally and percutaneously in guinea pigs. Japanese journal of pharmacology, 17(2), 317–324. https://doi.org/10.1254/jjp.17.317

16. Lawan, K., Kanlayavattanakul, M., Lourith, N. (2009). Antimicrobial efficacy of caprylyl glycol and ethylhexylglycerine in emulsion. Journal of Health Research, 23 (1), 1-3.

17. Ziosi, P., Manfredini, S., Vandini, A. & Vertuani, S. (2013). Caprylyl glycol/phenethyl alcohol blend for alternative preservation of cosmetics. Cosmetics & Toiletries, 128, 538-551.

18. Jansen van Rensburg, S., Franken, A., & Du Plessis, J. L. (2019). Measurement of transepidermal water loss, stratum corneum hydration and skin surface pH in occupational settings: A review. Skin Research and Technology, 25(5), 595–605. https://doi.org/10.1111/srt.1271.

19. Roy, S., & Rhim, J.-W. (2020). Preparation of carbohydrate-based functional composite films incorporated with curcumin. Food Hydrocolloids, 98, 105302. https://doi.org/10.1016/j.foodhyd.2019.105302

20. Berardesca, E., & European Group for Efficacy Measurements on Cosmetics and Other Topical Products (EEMCO) (1997). EEMCO guidance for the assessment of stratum corneum hydration: electrical methods. Skin research and technology : official journal of International Society for Bioengineering and the Skin (ISBS) [and] International Society for Digital Imaging of Skin (ISDIS) [and] International Society for Skin Imaging (ISSI), 3(2), 126–132. https://doi.org/10.1111/j.1600-0846.1997.tb00174.x

21. Rogiers, V. (2001) EEMCO guidance for the assessment of transepidermal water loss in cosmetic sciences. Skin research and technology : official journal of International Society for Bioengineering and the Skin (ISBS) [and] International Society for Digital Imaging of Skin (ISDIS) [and] International Society for Skin Imaging (ISSI), 14 (2), 117-128.

22. Capitani, R. D., Mercurio, D., Camargo Junior, F. B., & B. G. Maia Campos, P. M. (2012). Stability and Clinical Efficacy of Moisturizing Cosmetic Formulations Containing Vitamins C and E. Biomedical and Biopharmaceutical Research, 9(2), 215–224. https://doi.org/10.19277/bbr.9.2.44

23. Bazin, R., & Fanchon, C. (2006). Equivalence of face and volar forearm for the testing of moisturizing and firming effect of cosmetics in hydration and biomechanical studies. International journal of cosmetic science, 28(6), 453–460. https://doi.org/10.1111/j.1467-2494.2006.00352.x.

24. Kraft, J. N., & Lynde, C. W. (2005). Moisturizers: what they are and a practical approach to product selection. Skin therapy letter, 10(5), 1–8.

25. Correa, M. (2012) Cosmetologia: ciência e técnica. Medfarma, 67.

26. Lodén M. (2003). Role of topical emollients and moisturizers in the treatment of dry skin barrier disorders. American journal of clinical dermatology, 4(11), 771–788. https://doi.org/10.2165/00128071-200304110-00005

27. Gil-Castaño, G., & Cardona, R. (2020). Emolientes: beneficios, elementos clave y aplicación clínica. Revista alergia Mexico, 67, 128-141.. https://doi.org/10.29262/ram.v67i2.730.

28. Buraczewska, I., Broström, U., & Lodén, M. (2007). Artificial reduction in transepidermal water loss improves skin barrier function. British Journal of Dermatology, 157(1), 82–86. https://doi.org/10.1111/j.1365-2133.2007.07965.x

29. Petry, T., Bury, D., Fautz, R., Hauser, M., Huber, B., Markowetz, A., Mishra, S., Rettinger, K., Schuh, W., & Teichert, T. (2017). Review of data on the dermal penetration of mineral oils and waxes used in cosmetic applications. Toxicology letters, 280, 70–78. https://doi.org/10.1016/j.toxlet.2017.07.899

 

 
Copyright © 2023 ALIES. All Rights Reserved.Designed by templatemesh.com Powered by Joomla!