10.19277/bbr.18.1.258.pt

Ciências Biomédicas, Biomed Biopharm Res., 2021; 18(1):15-24  

doi: 10.19277/bbr.18.1.258; download da versão pdf [+] aqui

 

Avaliação da composição corporal de mulheres jovens vegetarianas e omnívoras - um estudo exploratório

Cíntia Ferreira-Pêgo 1*, Rejane Giacomelli Tavares 1, Sofia Lopes 2, Tatiana Fontes 1, Luís Monteiro Rodrigues 1

1CBIOS – Universidade Lusofona’s Research Center for Biosciences & Health Technologies, Campo Grande 376, 1749-024 Lisboa, Portugal; 2School of Health Sciences and Technologies, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Lisboa, Portugal

*corresponding author: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Resumo

A dieta é geralmente aceite como determinante da composição corporal, especialmente quando relacionada com estilos de vida específicos. Acredita-se que as dietas vegetarianas-veganas que envolvem uma redução ou eliminação do consumo de produtos animais, são mais "saudáveis" facilitando o controlo do peso e reduzindo a incidência e o curso clínico de diferentes doenças. No entanto, as revisões e meta-análises sobre estas questões são ainda insuficientes. A nossa abordagem preliminar aborda as diferenças na composição corporal total entre vegetarianos-vegan e indivíduos omnívoros. Este estudo transversal envolveu dez mulheres saudáveis, cinco vegetarianas-veganas, e cinco omnívoras (média de 28,10 anos de idade). A composição corporal foi avaliada utilizando uma absorptiometria de raios X de dupla energia (DXA Lunar Prodigy Advance - General Electric Healthcare®). Outras variáveis gerais e sociodemográficas foram também recolhidas por nutricionistas treinados. Os resultados mostraram que o grupo vegetariano-vegan teve um volume inferior não significativo de qualquer tipo de massa (osso, gordura, massa magra, tecido, tecido livre de gordura) avaliada. Além disso, estas mulheres jovens vegetarianas-vegan apresentaram valores mais elevados de tecido adiposo visceral e tecido adiposo subcutâneo (286,20 e 11138,40 cm3, respetivamente, p>0,05) em comparação com o grupo omnívoro. Estas diferenças serão ainda confirmadas em estudos subsequentes.

 

Palavras-chave: Composição corporal; tecido adiposo visceral; tecido adiposo subcutâneo; dieta vegetariana; absorptiometria de raios X de dupla energia 

Recebido: 13/05/2021; Aceite03/06/2021

 

Introdução

A dieta parece ter uma influência significativa no desenvolvimento da obesidade e das doenças cardiometabólicas (1). É também evidente que o excesso de gordura corporal é um fator de risco estabelecido para muitas doenças e até para a morte prematura (2).

Acredita-se que as dietas baseadas em plantas como o vegetarianismo e o veganismo reduzem o peso corporal devido à diminuição global da ingestão calórica e ao aumento da termogénese. Estas são basicamente definidas por uma redução ou eliminação do consumo de produtos animais, sendo baseadas no consumo de grãos, legumes, vegetais, frutas e frutos secos (3). Contudo, é de notar que as reduções no peso corporal não resultam necessariamente em reduções no tecido adiposo nem se convertem diretamente em melhores resultados para a saúde (4). No entanto, a dieta vegetariana é relatada como sendo um meio eficaz para a prevenção e tratamento de doenças cardiometabólicas (3). A Academia de Nutrição e Dietética, a maior organização mundial de profissionais de alimentação e nutrição fundada em 1917, reconhece os benefícios para a saúde e nutrição para a prevenção e tratamento de certas doenças potencialmente relacionadas com as dietas vegetarianas (5). Dietas vegetarianas saudáveis e devidamente planeadas foram descritas como eficazes para o controlo glicémico, proporcionando ao mesmo tempo benefícios metabólicos e cardiovasculares, incluindo o controlo da dislipidemia e da pressão arterial (3). Estes benefícios cardiometabólicos foram reportados como sendo maiores com as dietas veganas do que as ovo-lacto-vegetarianas (6). Contudo, a composição corporal dos indivíduos vegetarianos e veganos não é suficientemente estudada, tendo também em conta que as avaliações da circunferência da cintura, peso corporal, ou Índice de Massa Corporal (IMC) não revelam a composição corporal nem a distribuição da gordura. Portanto, o principal objetivo do presente estudo foi abordar e comparar a composição corporal - massa óssea, massa gorda, massa magra, massa tecidual, massa sem gordura, massa total, e tecido adiposo visceral e subcutâneo, de jovens mulheres adultas saudáveis com diferentes regimes alimentares (vegetarianos-veganos vs. omnívoros) através de métodos referenciados.

 

Material e Métodos

Desenho do estudo e participantes

O presente estudo foi uma análise observacional, quantitativa e transversal concebida para avaliar a composição corporal total em indivíduos vegetarianos-veganos e compará-la com os participantes omnívoros.

Uma amostra de conveniência de dez participantes (cinco vegetarianos-veganos, e cinco omnívoros) todas mulheres com uma idade média de 28,10 (DP: 6,94) anos foram selecionadas do corpo estudantil da universidade. Os participantes foram selecionados de acordo com critérios de inclusão/ não-inclusão previamente definidos. Para além do sexo, os critérios de não-inclusão incluíam qualquer tipo de doença ou alteração de saúde, tomar qualquer tipo de medicação, estar grávida ou a amamentar, e estar na primeira semana do seu ciclo menstrual. Todos os participantes concordaram em participar no estudo, dando o seu consentimento informado por escrito. Os procedimentos respeitaram os princípios de boas práticas clínicas adotados para estudos de investigação em humanos, cumprindo as normas éticas de boas práticas clínicas para a investigação em humanos (7). Foram obtidos os dados sociodemográficos dos participantes (idade, ano de curso, residência, e outros hábitos de vida) e foram também recolhidos dados alimentares mediante um Questionário de Frequência Alimentar um diário alimentar de 3 dias para cada participante.

Avaliação da composição corporal

O peso foi medido numa balança eletrónica [0,1 kg (0,1-200 kg) de precisão], usando roupas leves e sem sapatos. A altura foi uma variável auto reportada utilizada para calcular o IMC através da fórmula [IMC = peso (kg)/altura (m2)].

A absorptiometria de raios X de dupla energia (DXA Lunar Prodigy Advance - General Electric Healthcare®; Chicago, Illinois, EUA) foi utilizada para medir massa óssea, massa gorda, massa magra, massa de tecido, massa livre de gordura, massa total, e tecido adiposo visceral e subcutâneo. Antes de cada scan de corpo inteiro, o DXA foi calibrado de acordo com as instruções do fabricante através de um bloco de calibração padrão. As medições foram realizadas sob pelo menos quatro horas de jejum e sem exercício nas 24 horas anteriores para assegurar condições de hidratação adequadas. Os participantes removeram sapatos, meias, e todas as joias, vestiram roupa interior, ou roupa apertada sem partículas de metal, e foram instruídos a deitar-se em posição supino no leito de varredura com as mãos pelos lados, não tocando o corpo. Durante todas as varreduras do corpo, foi pedido aos participantes que permanecessem imóveis, enquanto as tiras de velcro se situavam à volta dos tornozelos e joelhos. As varreduras duraram aproximadamente 5 a 10 minutos. O mesmo investigador posicionou todos os participantes no leito de varrimento DXA. Além disso, o investigador treinado analisou cada varredura para ajustar as regiões de interesse determinadas pelo software antes de produzir o relatório de corpo inteiro.

Análise estatística

Os dados foram apresentados como médias e desvio padrão (DP) para variáveis contínuas ou percentagens e frequências absolutas para variáveis dicotómicas. A normalidade das variáveis foi testada, e todas elas seguiram uma distribuição normal, por este motivo, a distribuição das características selecionadas entre grupos foi testada utilizando os testes χ2 para variáveis categóricas ou os testes t de Student para variáveis contínuas. Todos os testes estatísticos foram bi-caudais e o nível de significância foi fixado em P<0,05. Todas as análises foram realizadas utilizando o software SPSS versão 27.0 (SPSS Inc, Chicago, IL, EUA).

Resultados

As características gerais da população estudada de acordo com o seu padrão dietético estão resumidas na Tabela 1. As mulheres omnívoras foram estatisticamente mais altas em comparação com o outro grupo analisado, contudo, esta diferença não afeta o IMC uma vez que não foram encontradas outras diferenças no peso corporal. As horas de sono também foram estatisticamente diferentes entre os dois grupos analisados, uma vez que os participantes que seguem uma dieta de origem animal dormiram menos horas em comparação com o grupo vegetariano. Não foram encontradas outras diferenças estatisticamente relevantes.

A população total apresentou uma massa óssea média de 2285,30 g, 18983,60 g de massa gorda, 40532,60 g de massa magra, 59516,10 g de massa tecidual, 42817,80 g de massa sem gordura, e finalmente 63,40 kg da massa total. As mulheres vegetarianas-vegetarianas apresentaram um volume mais baixo de todo o tipo de massa corporal. No entanto, nenhuma destas diferenças foi estatisticamente significativa. Estes resultados podem ser observados na Figura 1.

A Figura 2 mostra as áreas de cálculo do tecido adiposo. Os valores relativos ao tecido adiposo visceral (TAV) e a distribuição do tecido adiposo subcutâneo (TAS) para toda a população estão resumidos na Tabela 2, onde também é mostrada a comparação entre os participantes vegetarianos-veganos e omnívoros. A população total apresentou uma média de 254,10 cm3, 240,30 g, e 29,60 cm2 de TAV, e também 966,40 cm3, 911,60 g, e 109,70 cm2 de TAS. Os participantes vegetarianos-veganos apresentaram valores mais elevados de TAV e TAS (281,00 e 1025,00 cm3, respetivamente) em comparação com os omnívoros (219,17 e 831,00 cm3, respetivamente). Nenhuma destas diferenças foi estatisticamente significativa (p-valor>0,05).

Discussão

A obesidade e a Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2) representam grandes riscos para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares (DCV), sendo atualmente aceite que a resistência à insulina relacionada com o tecido adiposo (branco e visceral) assim como o pâncreas - a deficiência de células β - representam os mecanismos primários do DM2 (8). Atualmente, estas ligações entre obesidade, resistência à insulina e DCV têm chamado a atenção para a importância da dieta como parte do estilo de vida e, portanto, uma forma potencialmente eficaz de ajudar a prevenir estes reconhecidos grandes fardos, associados ou não ao exercício físico e à atividade (٩).

As dietas à base de plantas foram descritas como uma forma de reduzir a gordura corporal através de uma variedade de mecanismos, que cumulativamente levam à redução do consumo calórico e aumentam o gasto energético (4). Estes mecanismos podem incluir a redução da densidade calórica global da dieta e a melhoria da saciedade, em parte devido a alterações da microbiota intestinal (4). Além disso, o aumento da sensibilidade à insulina, e um potencial aumento do tecido adiposo branco contribuem para aumentar a termogénese (4). As dietas à base de plantas também têm sido consistentemente associadas à redução do peso corporal em ensaios intervencionais (10,11). Independentemente da amostra reduzida e do carácter exploratório do estudo, os nossos resultados não encontraram diferenças estatísticas no IMC ou peso corporal entre os participantes vegetarianos e não vegetarianos. Não foram observadas diferenças estatísticas relativamente à distribuição da massa gorda entre estes dois grupos. O grupo vegetariano-vegan apresentou valores de TAV e TAS não estatisticamente mais elevados, em comparação com o grupo omnívoro. Nos últimos anos, o excesso de TAV também denominado obesidade visceral foi reconhecido como um grande preditor de doenças cardiometabólicas e mortalidade por todas as causas, independentemente do IMC e da obesidade geral (12,13). Além disso, o TAV, que é altamente ativo metabolicamente e contribui para a inflamação sistémica, foi assumido como sendo um elemento chave comum e motor do risco cardiometabólico associado à síndrome metabólica (14). Até à data, os dados disponíveis sugerem um papel tanto do TAV como do TAS na doença cardiometabólica crónica (15). Tem-se argumentado que o excesso de tecido adiposo abdominal é uma consequência dos atuais padrões de vida modernos e sedentários, incluindo nutrição e comportamento dietético (13). Inerentemente, a relação entre o consumo dietético e os resultados de saúde, como o TAV e o TAS, é muito complexa (16).

Poderíamos facilmente concordar que nenhuma dieta é por si só mais saudável do que outras. Em qualquer caso, a dieta precisa de ser devidamente planeada em relação ao seu conteúdo em macro e micronutrientes e ao tipo de produtos alimentares escolhidos (17).

Tanto quanto sabemos, este é o primeiro relatório publicado que deteta valores mais elevados de TAV e TAS com DXA em mulheres jovens vegetarianas e em comparação com uma população omnívora semelhante. A amostra reduzida é um constrangimento óbvio, limitando a nossa interpretação. Tecnologias de imagem ainda não invasivas como o DXA são validadas para quantificar os montantes específicos de TAV e TAS no organismo (18), e a análise DXA é considerada para esse efeito, como um método “padrão dourado”. A sua acessibilidade e o seu custo explicam tão poucos estudos epidemiológicos em larga escala utilizando esta técnica. Uma vez que o TAS é a maior reserva de TAV, estes resultados devem ser estudados com especial interesse em indivíduos saudáveis e normoponderais para melhor compreender a sua relação com a dieta e o consumo de grupos alimentares em indivíduos saudáveis e não saudáveis.

Conclusões

Este estudo exploratório revelou algumas diferenças (não estatisticamente significativas) entre dois grupos dietéticos. Os participantes vegetarianos-veganos mostraram consistentemente volumes de massa mais baixos (massa óssea total, massa gorda, massa magra, massa tecidular e massa sem gordura) e níveis mais elevados de tecido adiposo subcutâneo e visceral quando comparados com o grupo omnívoro.

Declaração sobre as contribuições dos autores

C.F.-P., R.G.T., L.M.R. concetualização e conceção do estudo; R.G.T., S.L., T.F. implementação experimental e recolha de dados; C.F.-P. análise de dados; C.F.- P., R.G.T., L.M.R. redação, edição e revisão; C.F.-P. figuras e gráficos; C.F.-P., R.G.T., L.M.R supervisão; C.F.-P., R.G.T., L.M.R. redação final.

Financiamento:

Cíntia Ferreira Pêgo é financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) Contrato de Estímulo ao Emprego Científico com o número de referência CEEC/CBIOS/NUT/2018. Este trabalho é financiado por fundos nacionais através da FCT - Fundação para a Ciência e Tecnologia, I.P., ao abrigo dos projetos UIDB/04567/2020 e UIDP/ 04567/2020, e ALIES-COFAC - PADDICC2021.

Agradecimentos

Os autores agradecem a todos os participantes.

Conflito de Interesses

O editor senior envolvido na autoria deste manuscrito não tive qualquer participação no processo de revisão ou decisão. Todos os autores declararam que não existem relações financeiras e/ou pessoais que possam representar um potencial conflito de interesse

Referências

1. Kaila, B., & Raman, M. (2008). Obesity: a review of pathogenesis and management strategies. Canadian journal of gastroenterology = Journal canadien de gastroenterologie, 22(1), 61–68. https://doi.org/10.1155/2008/609039.

2. Ratjen, I., Morze, J., Enderle, J., Both, M., Borggrefe, J., Müller, H. P., Kassubek, J., Koch, M., & Lieb, W. (2020). Adherence to a plant-based diet in relation to adipose tissue volumes and liver fat content. The American journal of clinical nutrition, 112(2), 354–363. https://doi.org/10.1093/ajcn/nqaa119

3. Kahleova, H., Levin, S., & Barnard, N. (2017). Cardio-Metabolic Benefits of Plant-Based Diets. Nutrients, 9(8), 848. https://doi.org/10.3390/nu9080848

4. Najjar, R. S., & Feresin, R. G. (2019). Plant-Based Diets in the Reduction of Body Fat: Physiological Effects and Biochemical Insights. Nutrients, 11(11), 2712. https://doi.org/10.3390/nu11112712

5. Melina, V., Craig, W., & Levin, S. (2016). Position of the Academy of Nutrition and Dietetics: Vegetarian Diets. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, 116(12), 1970–1980. https://doi.org/10.1016/j.jand.2016.09.025

6. Le, L. T., & Sabaté, J. (2014). Beyond meatless, the health effects of vegan diets: findings from the Adventist cohorts. Nutrients, 6(6), 2131–2147. https://doi.org/10.3390/nu6062131

7. World Medical Association. WMA DECLARATION OF HELSINKI – ETHICAL PRINCIPLES FOR MEDICAL RESEARCH INVOLVING HUMAN SUBJECTS [Internet]. 2018 [cited 2021 Jun 2]. Available from: https://www.wma.net/policies-post/wma-declaration-of-helsinki-ethical-principles-for-medical-research-involving-human-subjects/

8. Chait, A., & den Hartigh, L. J. (2020). Adipose Tissue Distribution, Inflammation and Its Metabolic Consequences, Including Diabetes and Cardiovascular Disease. Frontiers in cardiovascular medicine, 7, 22. https://doi.org/10.3389/fcvm.2020.00022

9. Longo, M., Zatterale, F., Naderi, J., Parrillo, L., Formisano, P., Raciti, G. A., Beguinot, F., & Miele, C. (2019). Adipose Tissue Dysfunction as Determinant of Obesity-Associated Metabolic Complications. International journal of molecular sciences, 20(9), 2358. https://doi.org/10.3390/ijms20092358

10. Barnard, N. D., Levin, S. M., & Yokoyama, Y. (2015). A systematic review and meta-analysis of changes in body weight in clinical trials of vegetarian diets. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics, 115(6), 954–969. https://doi.org/10.1016/j.jand.2014.11.016.

11. Huang, R. Y., Huang, C. C., Hu, F. B., & Chavarro, J. E. (2016). Vegetarian Diets and Weight Reduction: a Meta-Analysis of Randomized Controlled Trials. Journal of general internal medicine, 31(1), 109–116. https://doi.org/10.1007/s11606-015-3390-7

12. Kuk, J. L., Katzmarzyk, P. T., Nichaman, M. Z., Church, T. S., Blair, S. N., & Ross, R. (2006). Visceral fat is an independent predictor of all-cause mortality in men. Obesity (Silver Spring, Md.), 14(2), 336–341. https://doi.org/10.1038/oby.2006.43

13. Tchernof, A., & Després, J. P. (2013). Pathophysiology of human visceral obesity: an update. Physiological reviews, 93(1), 359–404. https://doi.org/10.1152/physrev.00033.2011

14. Ibrahim M. M. (2010). Subcutaneous and visceral adipose tissue: structural and functional differences. Obesity reviews : an official journal of the International Association for the Study of Obesity, 11(1), 11–18. https://doi.org/10.1111/j.1467-789X.2009.00623.x

15. Abate, N., & Chandalia, M. (2012). Role of subcutaneous adipose tissue in metabolic complications of obesity. Metabolic syndrome and related disorders, 10(5), 319–320. https://doi.org/10.1089/met.2012.1502

16. Fischer, K., Pick, J. A., Moewes, D., & Nöthlings, U. (2015). Qualitative aspects of diet affecting visceral and subcutaneous abdominal adipose tissue: a systematic review of observational and controlled intervention studies. Nutrition reviews, 73(4), 191–215. https://doi.org/10.1093/nutrit/nuu006

17. Kahleova, H., Petersen, K. F., Shulman, G. I., Alwarith, J., Rembert, E., Tura, A., Hill, M., Holubkov, R., & Barnard, N. D. (2020). Effect of a Low-Fat Vegan Diet on Body Weight, Insulin Sensitivity, Postprandial Metabolism, and Intramyocellular and Hepatocellular Lipid Levels in Overweight Adults: A Randomized Clinical Trial. JAMA network open, 3(11), e2025454. https://doi.org/10.1001/jamanetworkopen.2020.25454/

18. Shuster, A., Patlas, M., Pinthus, J. H., & Mourtzakis, M. (2012). The clinical importance of visceral adiposity: a critical review of methods for visceral adipose tissue analysis. The British journal of radiology, 85(1009), 1–10. https://doi.org/10.1259/bjr/38447238

Copyright © 2021 ALIES. All Rights Reserved.Designed by templatemesh.com Powered by Joomla!